Páginas

quinta-feira, 30 de junho de 2011

A DANÇA NA EVANGELIZAÇÃO

por Daniela Gadelha, coordenadora da equipe de dança do MAVIN e professora de dança da EMART
A dança existe desde os mais remotos tempos. Pode-se defini-la como movimento rítmico do corpo realizado, na maioria das vezes, com acompanhamento musical. No período Renascentista ela começou a se desenvolver como forma de expressão artística.
Pintura rupestre de Lérida, Espanha,  de cerca de 8000 mil anos que representa uma dança primitiva
Pintura rupestre de Lérida, Espanha, de cerca de 8000 mil anos, que representa uma dança primitiva
Hoje temos o privilégio de poder utilizar essa arte para anunciar o Evangelho da Salvação. A dança é uma das poucas artes em que o material somos nós mesmos.  A utilização da dança na pregação do Evangelho é relevante simplesmente porque os movimentos “falam”. É perfeitamente possível para quem quiser, ocultar e até mesmo camuflar sua personalidade atrás de palavras, mas, o movimento e o gesto revelam clara e inevitavelmente o coração do ser humano. Muitas vezes um pequeno gesto fere mais do que uma palavra! Ao observar o semblante de uma pessoa podemos perceber se ela está triste ou alegre. Pois,  é através de movimentos e expressões “falamos” uma linguagem universal, onde é possível contar uma história com princípio, meio e fim. Como afirma Ione Buyst, teóloga especialista em liturgia: “Na dança o corpo se espiritualiza, assume movimentos de todo o cosmos, fala uma linguagem supra-racional, expressa e nos faz dizer e compreender o indizível’ [1]
Trabalhar com dança como instrumento estratégico no evangelismo, requer moldar e aperfeiçoar o corpo – principal material utilizado nessa arte – para que o mesmo seja facilmente entendível, ou seja, para que as pessoas possam captar a mensagem que desejamos transmitir. Por meio de movimentos corporais, expressões e gestos utilizados na dança, captamos a atenção daqueles que nos assistem e assim podemos comunicar  a Palavra de Deus.
Manuscrito bíblico medieval com a ilustração da dança de Miriam: Palavra e Dança interagindo
Manuscrito bíblico medieval com a ilustração da dança de Miriam: Palavra e Dança interagindo
A dança que alegra o coração de Deus é proveniente do amor e da expressão de júbilo de quem O adora em espírito e em verdade. A Bíblia nos ensina em Salmos 149.3a: “Louvem o seu nome com danças. Adorar ao Senhor com danças significa utilizar o talento que o próprio Deus entregou a cada adorador, num ambiente de profunda comunhão com o Pai, onde são gerados movimentos intimamente ligados a Ele, capazes de “falar” quando as palavras não podem chegar.
Ao longo da caminhada do Ministério de Artes Vida Nova, presenciamos vários testemunhos onde pessoas foram salvas, restauradas e edificadas através das ministrações de dança. O mover do Espírito Santo se manifesta intensamente e “fala” a cada coração por meio de movimentos e expressões. Num gesto de quebrantamento e adoração Deus derrama sua unção e esta alcança os que assistem. Para operar maravilhas no meio do povo, Deus usa o que Ele quer. Não dançamos para nossa própria exaltação, muito menos para mostrar nossa performance, mas, para compartilhar o evangelho expressando o amor de Deus. Quando dançamos para Ele, algo logo muda em nosso interior e se estende rapidamente para o meio externo. Em diversas ocasiões as muitas palavras não são capazes de descrever o que estamos sentindo, então, a dança torna-se nossa aliada para expressar o íntimo de nossos corações. Quando o Senhor se agrada de nossa dança Ele também dança conosco e podemos sentir que Sua presença nos envolve. A grandiosa obra de ganhar almas para Jesus é tarefa de todos nós, não é um convite, é um mandamento do Senhor, e através da dança também podemos cumprir o propósito de Deus em nossas vidas: Ide por todo o mundo, e pregai o evangelho a toda criatura (Marcos 16.15).
NOTA:
[1] MONRABAL, María Victoria Triviño. Música, Dança e Poesia na Bíblia. São Paulo: Paulus, 2006, p.5.

Nenhum comentário:

Postar um comentário